O ator recordou, em conversa com Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz, o estado depressivo em que se encontrava há alguns anos antes da cirurgia à cabeça.

“Não diagnostiquei nada. A dada altura, eu não estava cá. A depressão era cada vez mais profunda, era capaz de passar um dia inteiro sentado a olhar para o nada. Não sentia absolutamente nada de nada”, disse, referindo que “não estava cá, não existia e a vida não tinha sentido”.

O intérprete deparou-se com este problema de saúde mental um ano antes de ser operado:

“De nascença, os vasos capilares começam a entrelaçar-se e vão formar um novelo, uma massa que só se revela por epilepsia a partir dos 40 anos. Foi o que me aconteceu a mim”.

João Maria Pinto afirmou que só descobriu a má formação arteriovenosa porque teve um ataque de epilepsia. O ator adiantou que perdeu a memória e o sentido de humor devido à “pressão” que existe em “determinada zona do cérebro”.

“O engraçado é que depois de me tirarem o ‘chouriço’, eu automaticamente comecei a dizer: ‘Eu já me lembro de tudo’. Foi nascer outra vez”, contou.

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.